Dias mãeores

um blog de mãe para recuperar o tempo perdido em dias sempre mais curtos que o desejado

sexta-feira, maio 13, 2005

Aparição



Dez de Maio.
A três dias do acontecimento a Senhora encheu-se de dúvidas.
Os pastorinhos dormiam já a sono solto quando lhes foi remexer na cama, espiolhar as orelhas, cheirar o hálito acre e azedo.
Cuidava que assim seriam: enfezados e mal parecidos, como convinha às gentes do povo. Mas de bom coração, que os olhos fechados não deixavam confirmar.
Suspirou baixinho ajeitando a manta.
- Antes assim...
A enxerga mal chegava para os três e a cada movimento os pequenos corpos deixavam vislumbrar a sujidade das carnes.
Estava prestes a desistir quando a rapariga entreabriu os olhos e suspendeu a respiração.
Breve instante de incerteza estremunhada.
- Jacinta, Francisco! Acudam!
O sono custava a despegar-se das almas e contrariava os esforços desesperados da Senhora em explicações incompreensíveis.
A três dias do acontecimento e o acontecimento já ali, antes de qualquer mensagem e preparação. Um ar infinitamente cansado crispou-lhe os dedos na manta e cravou-lhe uma ruga funda no rosto cansado.
As crianças já despertas hesitavam.
- Senhora feia que levas os meninos, sai daqui. Sai, sai, sai.
- Oh Lúcia..., Jacinta..., esperem!
Sobressalto.
A palha pisada da enxerga saía dos buracos do colchão puído.
Seguiu o movimento da manta que escorregava lentamente dos ombros da rapariga mais velha e decidiu-se.
- Tenho três mistérios para vos revelar.
Bocejo disfarçado de incredulidade.
Incredulidade disfarçada de bocejo.
As mãos pequenas tacteavam à procura de qualquer coisa sem que a Senhora descortinasse o quê.
Continuou.
- É preciso que os transmitam na altura certa...
Era urgente que as palavras soltassem a mensagem, adiantadas, e cumprissem um destino marcado para daí a três dias.
O rapaz avançou de repente.
- Sai. Mulher doida. Pelo Senhor...
Leve movimento de corpos...
A pedrada surgiu certeira e a Senhora caiu de bruços num balbucio entredentes.
As ovelhas baliam desconfiadas.
Os pastorinhos chamaram o cão, puxaram a mulher pela manta que trazia e deixaram-na na soleira, corpo na terra espezinhada e aquecida dos animais.
Respiraram fundo.
Calmaria na noite estrelada.
Os balidos mudos agora.
Ajoelharam.
- Deus nosso Senhor livrai-nos do mal, de todo o mal. Confortai-nos com a Vossa presença. Enviai a senhora mãe do menino como sinal. Daqui a três dias estaremos no meio do campo com os nossos rebanhos...

susana
dezdemaiodemilnovecentosenoventaecinco


Desculpem lá qualquer coisinha.
Ando a remexer nos baús e de vez em quando saem-me do meio das memórias em desarrumo coisas insuspeitadas!
Bom fim-de-semana.

8 Comments:

  • At 13 maio, 2005 09:42, Blogger zm said…

    Graças à Nossa Senhora que estes escritos não se perderam. Esse baú vale dinheiro!
    Que pervilégio seguir em directo a revelação deste talento.
    Obrigado.
    ZM

     
  • At 13 maio, 2005 12:12, Blogger Azenhas said…

    Deus te abençoe.

     
  • At 13 maio, 2005 13:35, Blogger ana ventura said…

    Agrada-me esta versão! Maravilha, faz uma cópia e envia ao papa! Quero ver mais estórias destas!

     
  • At 13 maio, 2005 16:56, Anonymous Anónimo said…

    Ao papa, não! Senão ainda temos esta revelação como o quarto segredo. O que não seria de todo mentira.
    Na verdade este relato põe-nos perante um verdadeiro segredo, só que de Susana, não de Fátima.Esteve em hibernação durante 10 anos, saindo amadurecido q. b. para a ribalta da literatura dos milagres. Período comparável ao de um bom Porto Vintage, envelhecido em casca de carvalho, que deves ter bebido ou melhor, dado a beber à Senhora. Tal foi a simbiose entre vós, que levou à revelação da extemporânea aparição.
    Agora a sério,porque não estava a brincar.Texto lindo,imaginativo,criativo que me não surpreende (o segredo agora é meu), antes confirma que o baú existe e tem tesouro.
    Um beijo e um brinde com um Porto Vintage 1995 para que o báu continue aberto.
    Paimica

     
  • At 13 maio, 2005 19:41, Anonymous Anónimo said…

    Na próxima que tirares do baú, começam a desaparecer as Utopias e elas fazem-me falta...

     
  • At 13 maio, 2005 19:47, Blogger manamagana said…

    A mim também.
    As utopias hão-de voltar.
    Tenho vários baús cheios delas!

    Quem és tu?
    Drecas?! Lena?! São?!
    um beijo

     
  • At 16 maio, 2005 14:07, Anonymous mãezita said…

    e agora? como vamos saber os três segredos? Não pares de nos encantar. Conta-nos mais segredos do teu baú de tesouros e traz-nos mais utopias...
    que a vida em ângulo recto
    não tem graça, é obtusa
    é melhor trepar pela hipotenusa
    e ascender ao quadrado do cateto
    beijinhos
    mãezita

     
  • At 14 janeiro, 2010 20:00, Blogger Pé na estrada said…

    Esta é a historia de 3a?

     

Enviar um comentário

<< Home