Dias mãeores

um blog de mãe para recuperar o tempo perdido em dias sempre mais curtos que o desejado

terça-feira, julho 12, 2005

Ainda o Brasil: os bichos


Maria Farinha

Recordo que na primeira madrugada já em território brasileiro os sons que vinham do exterior me deixaram irrequieta.
Apesar do cartaz turístico anunciar apenas(?!) praias paradisíacas e mar azul, viajei na esperança de ver de perto alguns dos bichos exuberantes que o guia anunciava e os documentários mostram, magníficos.
Sabia obviamente que não se tratava do Pantanal nem da floresta amazónica, mas ainda assim, a mata atlântica que subsiste (e resiste) no local deveria proporcionar-nos bons encontros.


Mata Atlântica

O crescimento do litoral brasileiro fez-se à custa da mata atlântica, um dos ecossistemas mais ameaçados do mundo e um tipo de floresta densa e rica muito mais antiga que a floresta amazónica. Cobrindo originalmente todo o litoral brasileiro num total de 1 milhão de kilómetros quadrados (com uma largura de cerca de 800 km na zona de Rio Grande do Sul) subsiste hoje a custo em pequenas bolsas esparsas, espalhadas um pouco ao acaso pela linha costeira, entrecortadas pelas cidades que cresceram à custa da desmatação, constituindo não mais de 7% da área original.


Sagui

Ainda assim, reduzida e maltratada, abriga uma multitude de espécies fascinantes e em Pipa está preservada numa mini reserva - o Santuário Ecológico.
No meio da mata cerrada, a experiência é quase doméstica através de pequenos trilhos bem tratados no meio do arvoredo. O passeio faz-se cortando uma humidade densa e espessa. Os sons fazem adivinhar a bicharada que não se vê. Só os saguis atrevidos nos saltam ao caminho e os bem-te-vi volteiam no ar com a sua plumagem amarela.

Dos miradouros vê-se o mar imenso, a falésia e as baías, com os seus golfinhos e tartarugas, pequenas e fascinantes no seu movimento de vir à tona para respirar no meio das ondas em rebentação.


lagartos

Não é o documentário de vida selvagem que se imagina à partida, mas a intimidade da experiência não deixa de ser interessante. Tudo parece mais próximo e familiar.

A descida à praia verdejante de mato até à areia faz-se por uma escada de madeira e corda num simulacro de barco de piratas, um recurso para aliciar os mais novos na visita ao santuário.


Praia do Madeiro

Cá em baixo, na magnífica baía dos golfinhos, volta a visão de bilhete postal turístico. A praia imensa de areia branca, mar azul e coqueiros, surpreendentemente povoada de urubús e Marias Farinha, seres que desafiam o idílio de agência de viagens devolvendo realidade à miragem.


Urubús

E os golfinhos continuam nas águas quentes do oceano, volteando no ar e roubando destelhos de luz com a sua pele luzidia.


Desculpem os leitores que gostavam de mais detalhe e cientificidade na identificação dos bichos enunciados (e, claro fotos mais esclarecedoras!). Para esses, deixo aqui três sítios onde se pode recolher informação sobre bicharada, aprovados pelos meus amigos biólogos:
http://www.arthurgrosset.com/
http://www.fatbirder.com/links_geo/america_south/brazil.html
http://www.bsc-eoc.org/links/links.jsp?page=l_sam_br
http://www.nationalgeographic.com/wildworld/terrestrial.html

1 Comments:

  • At 15 julho, 2005 18:26, Anonymous 1pssarito said…

    Passaredo

    Ei, pintassilgo
    Oi, pintaroxo
    Melro, uirapuru
    Ai, chega-e-vira
    Engole-vento
    Saíra, inhambu
    Foge, asa-branca
    Vai, patativa
    Tordo, tuju, tuim
    Xô, tié-sangue
    Xô, tié-fogo
    Xô, rouxinol, sem-fim
    Some, coleiro
    Anda, trigueiro
    Te esconde, colibri
    Voa, macuco
    Voa, viúva
    Utiariti
    Bico calado
    Toma cuidado
    Que o homem vem aí
    O homem vem aí
    O homem vem aí

    Ei, quero-quero
    Oi, tico-tico
    Anum, pardal, chapim
    Xô, cotovia
    Xô, ave-fria
    Xô pescador-martim
    Some, rolinha
    Anda, andorinha
    Te esconde, bem-te-vi
    Voa, bicudo
    Voa, sanhaço
    Vai, juriti
    Bico calado
    Muito cuidado
    Que o homem vem aí
    O homem vem aí
    O homem vem aí

    (Chico Buarque)

     

Enviar um comentário

<< Home