Dias mãeores

um blog de mãe para recuperar o tempo perdido em dias sempre mais curtos que o desejado

quarta-feira, julho 12, 2006

largar amarras


(Pireu - Atenas)


(Pireu - Atenas)


(Adamas - Milos)

A possibilidade de viagem é já o início do salto.
Uma forma de sair, de transgredir fronteiras e horizontes, de iniciar movimentos.
Os cais de embarque são por isso lugares fascinantes, zonas de fronteira entre sair e chegar, entre ficar e partir, cheios daquela mistura inquietante de medo e expectativa que faz formigueiro na boca do estômago e olhos húmidos de excitação.

5 Comments:

  • At 12 julho, 2006 12:00, Blogger jordi said…

    A própria materialidade do cais e das águas - um, sólido e inerte, e as outras, líquidas e fluidas - reflecte o carácter fronteiriço das decisões e do mergulho, entre a segurança da imobilidade e a dúvida da deriva livre.

    É essa a marca da condição humana: a liberdade de escolha pode implicar um salto, mas o salto é a condição da escolha da liberdade.

    Em resumo: saltar ou não saltar, eis a questão.

     
  • At 12 julho, 2006 14:46, Blogger manamagana said…

    eu diria que a mera possibilidade do salto é já em si a condição da liberdade.

    Saltemos juntos!

     
  • At 13 julho, 2006 08:09, Blogger daniel said…

    E eu que passo os dias a construir essas mesmas fronteiras. Cais de partida e chegada, marinas para encontros, portos de despedida...

    Tanto esforço para lhes dar a liberdade...

     
  • At 13 julho, 2006 14:59, Anonymous Paimica said…

    Um cais é simultâneamente um obstáculo e um caminho para a liberdade. Uma fronteira e uma ligação. A liberdade é espaço, é pensamento, é escolha, é exercício de vontade, é conhecimento, é amor. Um bem supremo que atravessa qualquer fronteira. É uma questão de tempo. Só que nalgumas o tempo continua a ser demasiado.

     
  • At 14 julho, 2006 12:05, Blogger jordi said…

    Estou certo de que os vendedores da «Cais» são da mesma opinião...
    Ela é o caminho para a liberdade.

    Aliás, o caminho para a liberdade só se abriu quando o Maia perguntou ao Marcelo: «Cais ou não cais?»

     

Enviar um comentário

<< Home