Dias mãeores

um blog de mãe para recuperar o tempo perdido em dias sempre mais curtos que o desejado

quinta-feira, dezembro 21, 2006

De olhos fechados sob a luz invernal



Todas as manhãs, durante o final do mês de Dezembro, um único raio de sol intenso entra no meu gabinete pela única abertura transparente que existe junto ao tecto.

E nesses dias invernais e frios, uma janela minúscula, da qual me queixo durante todo o resto do ano por não servir para iluminar o meu espaço e me mergulhar num bunker sombrio e permanente, transforma-se num jacto de luz avassalador, que me bate directamente na cara e me deixa cega durante os 10 minutos que o sol leva cumprir o breve trajecto estelar rumo a outra posição celestial.

E eu, temporariamente impedida de ver pelo excesso de luz branca, entorpecida pelo calor que me envolve, ainda não consegui perceber se me agrada a matinal luz inesperada ou se me entristece este raio que não posso guardar para dias maiores.

2 Comments:

  • At 21 dezembro, 2006 17:34, Blogger Pedro Veiga said…

    A mim sabem-me bem esses instantes. No Inverno é quando eles sabem melhor mas é também quando duram menos tempo. Contrariedades da natureza...

     
  • At 26 dezembro, 2006 10:45, Anonymous mãezita said…

    as estrelas não necessitam de ser iluminadas, têm luz própria. Só os planetas e esses giram, giram, tostando de um lado ou de outro, até ficarem tontos. Por isso o cumprimento breve da estrela Sol à estrela Su que brilha por entre o néon das luzes artificiais. Um só cumprimento, uma só vez por dia, porque ele é a estrela-rei. Faz-lhe uma vénia com o respeito que lhe é devido, deixa-o partir e continua a brilhar. Beijos, mãe.

     

Enviar um comentário

<< Home