Dias mãeores

um blog de mãe para recuperar o tempo perdido em dias sempre mais curtos que o desejado

quarta-feira, novembro 19, 2008

5 meses


5 meses, 7,090kg e 66 cm
Sentado no sofá como gente grande!


Custa-me admitir mas é verdade: este blogue passou a ser quase exclusivamente um espaço de mãe babada (confesso que é difícil ter outros assuntos agora que passo os meus dias a cuidar em permanência deste pequeno ser).

A maternidade transforma as prioridades e o olhar torna-se mais especializado.
Neste bairro, onde as casas são caríssimas e abundam os condomínios privados, não existe um único espaço verde, um parque infantil, uma zona de descanso e lazer para mães e crianças. A maioria dos cafés continua a ter casas-de-banho minúsculas, não existem fraldários em quase nenhum sítio e os passeios são verdadeiros percursos de obstáculos.

É fácil compreender a fórmula de sucesso dos centros comerciais que oferecem um simulacro de vida perfeita e facilitada.
Não admira por isso que as pessoas prefiram passar as suas tardes a deambular de loja em loja, dentro destas réplicas fechadas (e seguras!?) do mundo exterior que são todas as grandes galerias comerciais, do que a fazer gincanas pela cidade com os seus carrinhos concebidos para países sem calçada à portuguesa e onde as rampas são uma realidade corriqueira.

Por tudo isto, há muito que para os pequenos passeios diários abandonei o carrinho como meio de transporte e adoptei o sling para melhorar e facilitar a minha mobilidade.
Com o carrinho, entrar e sair do elevador do nosso prédio é uma aventura, andar na rua uma prova de perícia, apanhar o metro ou outro meio de transporte uma prova de esforço e um teste à capacidade de solidariedade e paciência dos restantes cidadãos.

Revolta verificar o quanto os nossos espaços urbanos crescem sem nexo e exclusivamente voltados para a mobilidade automobilizada. Como se apenas o automóvel pudesse dar-nos o verdadeiro poder da liberdade de movimentos.
E com isso os nossos bairros crescem desumanos, feios e disfuncionais.
Que cidadãos queremos então que neles habitem e maturem?!

Etiquetas:

11 Comments:

  • At 19 novembro, 2008 17:15, Anonymous mãevózita said…

    Pois é. desculpem a "babadice", mas O MEU NETO É MUITO LINDO... rosno a quem disser o contrário! Quanto à mobilidade de "pietones" não é só em Lisboa que isso acontece. Nas "cidades" construídas há uma dúzia de anos na periferia de Lisboa onde habitam mais de 90% das pessoas que aqui trabalham, o problema é igual. Não há passeios, os que existem são tortos e têm demasiadas árvores (ainda por cima plantadas no centro deles). Será que a noção de muitos espaços verdes passa por aí, dificultar a passagem a quem se desloca nos passeios? Há escadas de edifícios que pura e simplesmente "cortam" os passeios obrigando as pessoas a deslocarem-se pela estrada. Quando as nossas prioridades mudam nós damos pelas aberrações. Aconteceu-me quando fracturei um pé e verifiquei que de muletas só poderia andar 50 m perto da minha casa. Agora para passear os netos de carrinho ou de triciclo circulamos mais tempo pela estrada do que pelas zonas de peões... e zango-me!
    Beijos doces sem tremedeiras de calçada à portuguesa feita à pressa.
    mãevózita

     
  • At 19 novembro, 2008 22:44, Blogger Ing. Pirralha said…

    Como já te tinha dito, concordo plenamente contigo. É engraçado como quando estive há uns meses em Santiago de Compostela onde tens na zona nova e em quase toda a cidade, passeios largos onde passam perfeitamente carrinhos de bebes, cadeira de rodas, etc. Aí, a população em vez de congratular-se com essa prioridade ao peão, refila com os poucos estacionamentos à superficie que existem. Porém existem vários estacionamentos subterrâneos que têm o mesmo preço (ou quase) que o vulgo parquimetro de superficie.
    Pois é, o ser humano nunca está contente com o que tem...
    Mas apoio-te 100%.
    Um beijo grande desde os Açores

     
  • At 20 novembro, 2008 08:59, Blogger Ing. Pirralha said…

    Ena que péssimo português o meu...
    É o que dá o cérebro funcionar mais depressa que as mãos. Sorry... fica a intenção e a ideia.
    Engenheiras, ó raça eheheh.

     
  • At 20 novembro, 2008 10:54, Anonymous Anónimo said…

    Olá! Revejo-me no teu post. Fui mãe recentemente e sair com o carrinho é uma aventura! Vivo nas Avenidas Novas, uma zona em que supostamente os peões circulariam sem problemas. Os passeios até são largos, mas o cócó dos canitos dos meus vizinhos torna-os verdadeiros campos minados. Ao passar pelo passeio (para não ir pela estrada) ganho como prémio óbvio uma roda suja e mal cheirosa (é impossível não ganhar prémio neste jogo). Depois temos os nossos amigos automobilistas/cargas e descargas que utilizam os passeios como parque de estacionamento e não fica espaço para o carrinho passar. Há ainda a categoria obra, que utiliza o passeio como estaleiro e reduz a passagem para peões a um caminho cuidadosamente construído para que caiba apenas uma pessoa (magra). Nestas passagens, por vezes, até cabemos ao início, mas mais à frente temos um poste de iluminação, onde um peão até passa de lado, mas o carrinho não... Temos ainda os degraus dos estabelecimentos, e por vezes dos passeios, em que fico sempre a achar que a criança vai dar uma cambalhota, tal a inclinação do carrinho. E já nem falo dos buracos e da calçada à portuguesa, começo a achar que não são assim tão maus... Por último temos as passadeiras-Obikwelu , como li em tempos numa crítica. A espera pelo verde é longa, com direito a razias dos carros e depois só se consegue chegar a meio da estrada e já temos os carros em cima de nós com um condutor a rosnar. Nas de separador central conseguir chegar ao mesmo ainda com verde, só mesmo o dito Obikwelo. E depois vem a prova de períca de tentar encaixar o carrinho em cima do separador central, obviamente com direito a mais razias! Também tenho um sling, mas ainda não nos adaptamos... Vou tentando, e espero não encontrar o nosso presidente da câmara, que apenas se preocupa em facilitar a vida em Lisboa a quem cá não vive...
    Coragem!
    Andreia.

     
  • At 21 novembro, 2008 19:20, Anonymous Marta Mourão said…

    Devia ser obrigatório fazer um espaço verde por cada bairro de Lisboa.
    No sítio onde vivo também não há um único espaço verde, só prédios.

     
  • At 21 novembro, 2008 23:25, Anonymous meistre it's me!!! said…

    É engraçado, há uns anos atrás houve um estudo sobre os espaços verdes nas cidades e a ligação que os cidadãos têm com estes espaços.
    Alguns resultados eram quase de amor/ódio. Valorizavam a sombra, os cheiros, a produção de oxigenio. Porem, queriam na maior parte das vezes cortar as árvores dos seus arruamentos porque: destruiam os passeios, tiram espaço para o estacionamento, os pássaros ao final do dia e ao inicio da manhã faziam muito barulho e ao mesmo tempo sujavam o carro todo que como não tinha sitio para estacionar estava em cima do passeio debaixo da árvore. A própria árvore ao libertar as suas resinas sujava o carro e as ruas, tal como as folhas que caem no outono, etc.
    As camaras a partir desses estudos começaram a ter mais cuidado com as espécies de árvores que colocavam nos arruamentos, nomeadamente escolhiam espécies que criassem menos problemas em relação às alergias, ao mesmo tempo que as raizes fossem mais profundantes em vez de rasteiras, que as folhas ou flores não tivessesm resinas que sujam os passeios, entre outras questões.
    Bem, o comentário vai longo mas achei que seria interessante partilhar isto convosco.
    PS. Parabens ao André e aos pais

     
  • At 23 novembro, 2008 15:45, Blogger joangi said…

    Olá de catalunya !!!
    Gostei muito de vosso blog !
    Andrei é lindo !
    Continuo a escriver en espanhol vale?
    Nos hace mucha ilusión saber que estais tan contentos y felices con vuetro hijo ! Gràcias por el comentario en nuestro blog. A partir de ahora solo serà en catalan y francès però creo que lo podeis entender perfectamente.
    Es normal que ahora el blog sea solo para Andre, cuando eres padre todo gira alrededor de tu hijo. Es así y es genial !!!
    Seguiremos en contacto en los dos blogs. Ya hice alguna actualización.
    Beijinhos !

    Joan, Bibi y Marc

     
  • At 24 novembro, 2008 16:32, Anonymous Anónimo said…

    Quantos dias maiores teve a manamagana desde que tem o seu André?

    Cumprimentos e parabéns à mãevózita babada.

     
  • At 26 novembro, 2008 11:47, Anonymous S said…

    Olá!
    Passei por aqui por intermédio de uma amiga. Tenho a decorrer um processo de adopção (fomos "aprovados" a 27 de Julho), e por isso como sabes a ansiedade é muita e a emoção de ler a vossa alegria é ainda maior.
    Muitos parabéns pela vossa familia, o teu menino é lindo lindo!
    COnheces o grupo Nós-Adoptamos? É um espaço de partilha de pais, candidatos e amigos, de entreajuda e discussão sobre a adopção.
    Convido-te a conheceres o nosso blog: http://nosadoptamos.blogs.sapo.pt ,e quem sabe a juntares-te ao grupo de discussão: nos-adoptamos-subscribe@yahoogroups.com , serás muito bem vinda, e contamos com a tua experiência.
    Permite-me mandar-vos um grande beijinho de parabéns!
    Sofia

     
  • At 28 novembro, 2008 15:52, Blogger Ing. Pirralha said…

    desculpa, mas passei por aqui na viagem diaria pelos diferentes blogs e hoje apetecia-me puxar as botinhas ao teu pimpolho...
    Faz la isso por mim!!!
    Beijos e ate breve
    Be

     
  • At 28 novembro, 2008 19:31, Blogger bibi said…

    susana, primero Enhorabuena!!por vuestra paternidad/maternidad, vuestro André es un amor de niño!! no sé portugués pero por lo que he ido leyendo se desprende una enorme felicidad y las fotos (preciosas!!) lo confirman!! un abrazo enorme a los tres!! a ver que dia Marc y André se encuentran jugando....
    bibiana

     

Enviar um comentário

<< Home